FANDOM


M26 C425doors

As Portas de Guf de Lilith pouco antes de fecharem.

Guf (ガフ) (do judaico "corpo"), em Neon Genesis Evangelion, refere-se coletivamente à Câmara de Guf (ガフの部屋, GAFU no heya) ou as Portas de Guf (ガフの扉, GAFU no tobira). O termo vem do folclore judaico, e diz ser o lugar onde todas as almas, antes de nascer, residem. Pouco é dito sobre a "versão Eva" da Câmara de Guf, parece desempenhar um papel similar, fortemente implicado na origem espiritual da vida derivada de Lilith e Adão.

Menções

Existem apenas três alusões diretas à Guf dentro série em si.

Mulher D: "Comece o tratamento térmico de amortecimento assim que as Portas de Guf forem abertas."[1]

  • No episódio 23 (de Misato e Shinji no Tanque Dummy Plug):

Ritsuko: "Sim, eles são humanos. Os Evas intrinsecamente não possuem almas próprias, mas eles têm almas humanas embutidas dentro deles. Eles estavam todos salvos. O único "navio" que continha uma alma era Rei. Ela foi a única a nascer com uma alma. a Câmara dos Guf que você vê estava vazia. Estas coisas aqui que parecem Rei não têm alma. Eles são apenas navios. é por isso que eu vou destruí-las. porque eu odeio eles".[2]

Fuyutsuki: "A Câmara de Guf não selada. As portas para ambos princípio e fim do mundo finalmente abriram?"[3]

Além disso as aberturas, iguais a vulva feminina, que se abrem nas palmas das mãos de Lilith para receber de volta as almas no episódio 26' são referidas como "Portas de Guf", algo relevante no enredo.[4]

A natureza de Guf

A premissa básica da tradicional Câmara de Guf, é de que ela serve como um "armazém" para as almas dos que ainda não nasceram, pode-se inferir que essa versão também se aplique à Neon Genesis Evangelion. Em The End of Evangelion, a Câmara é referida como "o princípio e o fim do mundo"[3], para o qual o rebanho das almas dos Lilin (e possivelmente outras formas de vida derivadas da mesma) retornam durante o Terceiro Impacto, um evento que é essencialmente a Criação da vida no sentido inverso (os corpos revertendo de volta para a "sopa" primordial de vida, "retornar ao nada", etc.).

A natureza exata da Câmara de Guf é indescritível, mas as evidências visuais disponíveis sugerem que pode ser um espaço que reside em dimensões superiores[5], semelhantes ao Mar de Dirac, e ligada tanto ao corpo de uma semente de vida quanto a sua Lua associada[6]. (Os "estigmas" causados na mãos da Unidade 01 pela Série Eva podem representar a criação forçada das Portas pela Seele, em preparação para a Unidade 01 no tempo planejado no Terceiro Impacto.)

Cada semente pode possuir sua própria Câmara de Guf. Está implícito que Adão abriu suas Portas de Guf no Segundo Impacto, o que provavelmente implicou na criação das almas dos Anjos. Em contraste, a citação de Fuyutsuki[3], juntamente com os aspectos da "Criação-Reversa" do Terceiro Impacto, sugerem que a Câmara de Guf foi originalmente aberta e posteriormente selada no "início do mundo" (ou seja, as criações de Lilith), e, só agora, no "fim [do mundo]" foram abertas novamente. Em confluência com a linha de Ritsuko, "A Câmara de Guf estava vazia", isto também implica que a Câmara de Lilith estava completamente vazia antes de ser selada. Se este for o caso, Adão deve ter uma outra outra câmara em separado.

Mas ao contrário da tradição judaica, em que o esvaziamento da Câmara de Guf significa a vinda do Messias, as consequências em Evangelion - com base no contexto das palavras de Ritsuko[2] - parecem ser que:

  • (A): não haviam almas por nascerem na Câmara para deixar como herança para os Evas, e eles tiveram que resgatar almas humanas ao invéz disso;
  • (B): apenas Rei (ou seja, a Rei I) nasceu com uma alma, enquanto os clones dela eram apenas recipientes sem alma. A última levanta a questão de por que Rei nasceu com uma alma se a Câmara de Guf estava vazia. o que pode ter implicações sobre a sua posse da alma de Lilith.

Guf na tradição Judaica

Enquanto a palavra Guf (גוף) é a palavra hebraica para "corpo", a Câmara de Guf, no entanto, não é apenas uma "câmara dos corpos". Câmara dos corpos é o lugar no corpo celeste a partir do qual se originam todas as almas antes dessas nascerem na Terra. É dito que esta câmara existe antes mesmo da Criação.

A expressão peculiar de descrever o tesouro das almas como um "corpo" pode estar ligada à tradição cabalística do homem primordial chamado Adam Kadmon. Adam Kadmon, "intenção original" de Deus para a humanidade, era um ser sobrenatural, andrógino e macro-cósmico (co-igual em tamanho com o universo). No entanto, quando ele pecou, a humanidade foi rebaixada para a carne e sangue, bifurcadas e transformada em mortais. De acordo com a Cabala, cada alma humana é apenas um fragmento (ou fragmentos) da grande "alma do mundo": Adam Kadmon. Assim, cada alma humana vem do "Guf (corpo)" de Adam Kadmon.

Lemos a partir do tema da propagação no Talmud[7] o seguinte:

  • "R. Assi disse: O Filho de Davi (isto é, o Messias judeu) não virá antes de todas as almas do Guf sejam encarnadas, já que é dito: Para que o espírito que está envolto em si vem de Mim, e as almas que tenho feito.[8]

Em um trabalho inicial cabalístico chamado de Sefer ha-Bahir (סֵפֶר הַבָּהִיר), também é dito que:

  • "Em sua mão está a Tesouro das Almas. Enquanto Israel for boa, estas almas são dignas de emergirem e de virem a este mundo. Mas se ela não for boa, então [estas almas] não emergiram. Por isso, dizem, "O Filho de David não virá até que todas as almas no Guf (corpo) sejão concluídas. "Qual é o significado de "todas as almas no Guf"? Dizemos que isto refere-se a todas as almas do corpo de Adam Kadmon. [Quando estas forem concluídas] novas serão dignas de emergirem. o Filho de David (o Messias) virá então. Ele será capaz de nascer, já que sua alma vai emergir entre as outras almas novas."[9]

Na Gemara (comentários e análises rabínicas) o décimo segundo tratado da segunda ordem da Mishna (משנה), chamado Hagigah, podemos ter uma alusão a outro Corpo celeste separado no Sétimo Céu de Saturno (chamado Araboth), para lermos:

  • "Araboth é a justiça, o juízo e graça, os tesouros da vida e os tesouros da paz, os tesouros da bênção, e as almas dos justos, os espíritos e as almas que estão prestes a nascer, o orvalho com que o Santo, bendito seja Ele, vai seguir e reviver os mortos."[10]

Este é um conceito muito diferente do corpo que encontramos nas escrituras do Talmude: o Corpo como está escrito no Talmud sempre existiu, mas o Corpo descrito no Midrash só passou a existir após o ato da Criação. O Corpo descrito no Midrash é dito ser a fonte dos Núcleos (קרח), que dizem ser inferior as almas que não foram criadas no início da Criação.

A palavra Guf aparece no OT/Torah apenas uma vez, em Neemias VII: III: "deixe a Porta ser fechada [para Jerusalém] e barra-los."

Notas

  • Guf, Guff, Guph, Gof, Goff e Goph são todas ​​transliterações inglesas aceitáveis do hebraico גוף.
  • A Câmara de Guf, às vezes, é mal interpretada como sendo a Usina dos Dummy Plug, provavelmente por conta de Ritsuko estar presente lá quando ela menciona a Câmara de Guf.

Referências

  1. "Mulher D", Episódio #21'
  2. 2,0 2,1 Ritsuko, Episódio #23
  3. 3,0 3,1 3,2 Fuyutsuki, Episódio #26'
  4. Neon Genesis Evangelion Movies Storyboard Collections.
  5. Uma página de análise é extremamente necessária nesse ponto, mas até que este segmento proporcione um pouco mais de lógica por trás desta afirmação — embora não mencione diretamente a Câmara de Guf.
  6. Parte da "Lua" também está implícita no comentário de Fuyutsuki, com a Lua Negra sendo a fonte da vida humana... As portas de Guf podem se manifestar como aberturas nas palmas das mãos de uma Semente para fornecer um caminho entre a Câmara e o "mundo exterior"
  7. Babylonian Talmud (Talmud Bavli), tratado de Jebamoth, folha 63b
  8. Isaías 42:16.
  9. Sefer ha-Bahir, p184.
  10. Babylonian Talmud (Talmud Bavli), tratado de Hagigah, folha 12b.